segunda-feira, 5 de julho de 2010

Por um segundo eu esqueço essa situação, olho ao meu redor e vejo o que restou, pratos e copos quebrados no chão, uma garrafa de vinho com um pouco menos da metade. Vejo tudo que está ficando para trás.
-Seu miserável ! Eu não aguento mais você ! Pode voltar para sua vidinha medíocre!
Eu desperto do meu transe momentâneo com as ofensas e o copo que ela jogou no chão. Lucia não para de me insultar, eu fico calado só ouvindo ela despejar toda sua fúria em mim. Num divorcio, o que mais machuca não é a separação fisica do casal, mas sim as coisas que se quebram, os sonhos que se desmancham, os laços que se rompem, os sentimentos que se perdem...
Eu não reajo, tudo já se perdeu, não há mais o que fazer. Lucia vai para o quarto fazer as malas, levar o que der, eu pego a garrafa de vinho bebo direto no gargalo depois atiro a garrafa na parede, os cacos de vidro se espalham. Vou para janela acendo um cigarro, pelo reflexo do vidro eu vejo Lucia passando carregando sua mala de viagem. Ela para na porta e diz:
-Cláudio eu não quero te ver nunca mais, eu te odeio !!
-Um dia você disse que me amava.
-Isso foi há muito tempo...

Um comentário:

  1. Eu odeio essa parte... Mas adorei o conto...

    Espero que eu seja bem vinda aqui.



    Um abraço.

    ResponderExcluir